Doenças da Próstata

Doenças da Próstata

A próstata é acometida predominantemente por 3 doenças: hiperplasia benigna da próstata (HPB), câncer de próstata e prostatite.
A hiperplasia benigna da próstata (HPB) se dá com o crescimento da próstata, principalmente de sua porção interna, junto à uretra, chamada zona de transição. Esse crescimento ocorre devido ao estímulo do hormônio masculino testosterona sobre o tecido prostático e pode desencadear sintomas de dificuldade para urinar, como jato urinário fraco, interompido, com necessidade de esforço para urinar e sensação de esvaziamento incompleto da exiga após a micção. O diagnóstico é realizado principalmente pelos sintomas clínicos, e o tratamento pode ser realizado com medicamentos específicos ou cirurgia. Saiba mais… (colocar link com o texto convivendo com sua próstata I)
O câncer mais comum nos homens, após o câncer de pele, é o de próstata. Sabe-se que 1 a cada 4 homens terá câncer de próstata ao longo da vida. Além disso, a doença é rotineiramente assintomática nos primeiros anos, e quando os sintomas aparecem geralmente estes estão relacionados ao acometimento tumoral em outros órgãos (doença extra-prostática). Isto nos revela a importância do check up anual de próstata para homens acima dos 50 anos, antecipando-se este em 5 anos para os pacientes de maior risco – homens com antecedente familiar de câncer de próstata e negros. Com o diagnóstico cada vez mais precoce de câncer de próstata, mesmo em homens entre 40 e 45 anos, há uma tendência a se antecipar esta avaliação periódica, iniciando-se a partir dos 40 anos. O antígeno prostático específico (PSA) é o marcador sanguíneo que permite suspeitarmos de câncer de próstata, e juntamente com o toque retal nos auxiliam no diagnóstico mais precoce da doença. Vale ressaltar entretanto que não é somente o câncer de próstata que aumenta o PSA, mas também a HPB e a prostatite, e somente uma avaliação médica combinando fatores como idade, valor do PSA, toque retal, tamanho da próstata, e a fração livre do PSA é que possibilitam um diagnóstico mais acertivo. O diagnóstico se dá pela biópisa transretal da próstata, guiada por ultrasonografia, com pelo menos 12 fragmentos. O tratamento depende do estadiamento da doença, mas pode ser cirúgico, com remoção da próstata, por via aberta (incisão abdominal ou perineal), ou ainda por laparoscopia em conjunto com a robótica, técnica esta que vem se estabelecendo como segura e com resultados promissores. No Brasil ainda em fase inicial, porém com grande potencial de crescimento nos próximos anos. A equipe Urologia Vida, seguindo seus valores de atualização constante, tem participado de congressos e cursos de treinamento específico em robótica e está acrescentando esta técnica no seu bojo terapêutico do câncer de próstata. Além da cirurgia pode-se tratar estes pacientes com radioterapia externa, braquiterapia e hormonioterapia para os casos mais avançados.